XV Congresso Brasileiro de Energia

Segurança Energética e Desenvolvimento Econômico serão os temas oficiais do XV Congresso Brasileiro de Energia, a ser realizado de 22 a 24 de outubro, no Centro Empresarial da Firjan, no Rio de Janeiro, promovido e organizado pelo PPE – Programa de  Planejamento Energético da COPPE/UFRJ.

Congresso Brasileiro de Energia

A edição especial do evento comemora os 50 anos da COPPE/UFRJ, o Instituto Alberto Luiz de Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, na solução de problemas concretos da sociedade brasileira. É o momento de autoridades, empresários e especialistas em energia discutirem os caminhos para ampliar a segurança da matriz energética brasileira e reduzir as emissões de CO² na atmosfera.

Coerente com o meio século vanguarda da COPPE/UFRJ – que leva o nome de seu fundador – na pesquisa em áreas da maior importância para o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro, o presidente do XV CBE, Prof. Luiz Pinguelli Rosa, e o Coordenador Geral do evento, Prof Marco Aurélio dos Santos, destacaram que os temas da política energética em debate e os trabalhos técnicos que deverão refletir as preocupações e os esforços atuais da comunidade científica e acadêmica brasileira na busca de soluções para o setor energético.

Energia e petróleo em destaque

Nos três dias de discussão do Congresso, em diversos painéis, serão avaliadas as novas perspectivas e os desafios do setor energético brasileiro, sob a ótica das novas regras para as tarifas de energia.

Serão as fontes renováveis de energia, como a solar e a eólica, uma alternativa viável para as necessidades de equilíbrio do meio ambiente, sem agravar os problemas das mudanças climáticas?

Segundo o Prof. Marco Aurélio dos Santos o país necessita de uma nova mentalidade que busque as necessidades de conciliação entre a exploração do potencial de geração de energia limpa e o desenvolvimento econômico no país. Neste contexto, qual será o cenário futuro para projetos de exploração do carvão mineral no Brasil? A geração distribuída, mediante criterioso planejamento e inovadores modelos energéticos, também poderá ser uma alternativa?

Pré-Sal

Outro tema em destaque são os desafios para a exploração das imensas reservas de petróleo do Pré-Sal. O Brasil e a Petrobras dispõem de tecnologia e de recursos na cadeia produtiva do petróleo para explorar essa riqueza em todas as suas dimensões, das atividades de exploração e produção ao refino?

Até que ponto a concorrência de novas fontes fósseis, como o gás de xisto dos Estados Unidos e o petróleo das áreas arenosas do Canadá, podem ter algum impacto na economia mundial e na competitividade do gás natural associado e não associado?

O professor Pinguelli Rosa destaca que todas estas questões serão amplamente debatidas nos seus aspectos políticos, regulatórios, tarifários e institucionais, sem descuidar das opções para a interligação de fontes de geração regional ao sistema de integração energética. Num país tão extenso como o Brasil é preciso encontrar meios eficientes para a convivência entre um sistema de universalização da energia elétrica e sistemas isolados, em regiões remotas.

As inovações tecnológicas na energia – como as redes inteligentes (smart grids), que agregam a tecnologia da informação em sensores nas linhas da rede de energia elétrica – poderão dar sua contribuição, assim como as tecnologias para armazenamento de energia, acredita o coordenador do evento, professor Marco Aurélio dos Santos.

Até que ponto as modificações no Código Mineral Brasileiro, melhoraram as perspectivas para a exploração de recursos minerais energéticos no país. Qual o futuro da mineração de Urânio no Brasil? E qual a importância futura da energia nuclear no país, diante do atraso da construção da Usina Nuclear de Angra III e da redobrada cautela em todo o mundo após os vazamentos causados pelo terremoto na Usina de Fukujima, no Japão?

Meio Ambiente

Segundo o prof. Marco Aurélio dos Santos, o meio ambiente deverá ter um papel fundamental na viabilidade de novos empreendimentos no futuro. Ele aponta para o fato da reversão do ritmo de emissões de gases de efeito estufa derivado do desmatamento e o aumento significativo das fontes energéticas na matriz de emissão de gases do país. Para o professor, o planejamento da expansão deve observar seriamente esta tendência, pois a questão poderá se intensificar em um futuro próximo. Ele aponta a questão da construção das plantas eólicas sem interconexão com o sistema, a redução do papel da hidreletricidade (reservatórios de acumulação de água plurianuais) na matriz energética como um dos pontos nevrálgicos deste dilema.

Outra questão importante é a pressão social que se exerce sobre a construção de novos empreendimentos, sobretudo na Amazônia. Há riscos sérios de bons projetos não serem levados adiante sob a égide de impactos sociais e ambientais na região.

Evento: XV Congresso Brasileiro de Energia

Datas : 22 a 24 de outubro de 2013

Local: Centro de Convenções da  Firjan, Av. Graça Aranha, nº 1– Rio de Janeiro –RJ

Mais informações: Programa de Planejamento Energético – PPE/COPPE/UFRJ Centro de Tecnologia, Bloco C, Sala 211, Cidade Universitária Caixa Postal: 68565 – CEP: 21.941-972 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: (21) 2562-8772

www.congressoenergia.com.br

Fonte: Biomassa & Energia


MBE-COPPE/UFRJ formando especialistas ambientais desde 1998 - mbcursos.coppe.ufrj.br

Comentários